Pages

quarta-feira, 18 de março de 2015

Plaquinhas para Foto! -DIY-

Bom gente, há muito tempo não posto aqui. Simplesmente, porque optei por manter minhas postagens semanais no Sai do Muro.

De qualquer forma, manterei esse espaço para emergências, temas mais particulares, e coisas que possam ajudar outros, como é o caso da postagem de hoje.

Na última semana foi a Formatura do meu namorado, e resolvi não gastar mais dinheiro do que já havia gasto e estava pra gastar, fazendo eu mesma as plaquinhas para as fotos. Foi uma busca implacável, mas acho que deu certo. A resolução não está das melhores, mas serviu bem. Imprimi em papel cartão reciclado, ficaram bem durinhas, depois recortei e colei palitinhos de churrasco.

E, para quem está pensando em fazer coisas legais para incrementar a festa, na esperança de gastar o mínimo possível, seguem os modelos que compilei da internet, de vários sites esparsos, e outros que eu mesma fiz no paint (porque minhas habilidades tecnológicas deixam a desejar).

Enjoy!

terça-feira, 5 de agosto de 2014

Pra ser Feliz




Tanta guerra acontecendo, Palestina e Israel, conflitos civis na Síria, nos países africanos como Uganda, Sudão, e a Republica Centro-Africana de um modo geral, a grande quantidade de “atrocidades maciças”, bem como a falta de solução para tantos problemas são alarmantes, segundo a Organização das Nações Unidas¹, mas agora, o que fazer?
O que é possível fazer para que nossos filhos nasçam num mundo real permeado de violência, dor, injustiça, ódio, e ainda assim conheçam a esperança, acreditem no amor, na possibilidade de transformar o meio em que estão inseridos?

Tornar sonhos em realidade, e mesmo com medo do porvir, que a Bíblia nos garante ser num mundo cada vez pior onde o amor se esfriará de muitos, e a maldade e iniquidade se multiplicarão, colocar ao alcance das próximas gerações a salvação que um dia alcançamos será um desafio grande, mas somente esse será o caminho para a verdadeira felicidade, como é hoje.

Jesus é o único Caminho. Ele é a verdadeira vida.

Onde estiverem (e quem sabe, estivermos nós também), a paz e o amor, a justiça e a alegria, a bondade e a benignidade, a fidelidade e a fé, a mansidão e o domínio próprio, a paciência e longanimidade, nos seguirão, pois o Senhor será a nossa força, o nosso escudo, a nossa proteção, e a Luz para o nosso caminho.

A razão da nossa esperança ser tão sólida e bem fundamentada, é que ela foi semeada na Rocha, e lá foi construída. Suas bases permanecerão e resistirão aos ventos e circunstâncias contrárias, e mesmo que tenha morrido por pouco tempo (3 dias) a fim de cumprir seu propósito, ela já ressuscitou, e estará eternamente conosco.

Essa é a solução PRA SERmos FELIZes. Para os outros serem felizes.
Para nossos filhos serem felizes também!

“{Jesus disse:} Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém.” – Mateus 28:19.20

Permaneçam no Amor, na Esperança e na Fé.
Um beijo!
@NatháliaAyumi.
_________________________
¹ - http://www.ipsnoticias.net/portuguese/2013/12/ultimas-noticias/em-2014-a-onu-devera-enfrentar-conflitos-na-africa-e-no-oriente-medio/

------------------------------------------------------------

Nasce uma criança, tem que acreditar
Que a força da esperança continua a transformar
O sonho em realidade, o medo em salvação
Com a musica batendo dentro do meu coração
Eu vou viver oh, oh, oh

Pra ser feliz
Onde estiver
Paz e amor
Não perca a fé
Reze pra Deus, iluminar
Todo caminho por onde eu passar

Sei que ta difícil, e o mundo ta em guerra
Com tanta violência
Mas o amor nunca se entrega
Na luta pela vida, eu sigo na missão
Com a musica batendo dentro do meu coração
Eu vou viver (vamos viver) oh, oh, oh

Felicidade vem me encontrar
Faz a tua casa o meu lar, o meu lar
Pra onde você for, me leva que eu vou com você

Olho pro céu, peço mais paciência
Pois tenho andado em outra frequência
Pra não fraquejar na hora H
Não entregar o ouro agora
Trabalhar pra ganhar, pra viver um lugar legal
Pra sair com você
Entender que o mundo, ta cheio de gente
Mas nem todo mundo é igual a gente
Paz e amor pra não perde a fé
Chaga do outro lado, de carro ou a pé
Paz e amor



quarta-feira, 23 de julho de 2014

De: Deus - Para: Você

Mensagem DE DEUS pra sua vida:



terça-feira, 24 de junho de 2014

Verdadeira Liberdade


sábado













Foi para a liberdade que Cristo nos libertou. Portanto, permaneçam firmes e não se deixem submeter novamente a um jugo de escravidão. [Gálatas 5.1]
O Novo Testamento apresenta Jesus como nosso supremo libertador e a vida cristã como uma vida de liberdade. O próprio Jesus disse a alguns judeus que creram: “Se vocês permanecerem firmes na minha palavra, verdadeiramente serão meus discípulos. E conhecerão a verdade, e a verdade os libertará” (João 8.31-32). Mas o que significa essa liberdade cristã? Antes de tudo, ela nos liberta da servidão terrível de ter que obter a salvação por meio da obediência à lei. Ela também nos liberta da culpa e da consciência culpada, e nos dá a inexprimível alegria do perdão, da aceitação e do acesso a Deus, e a incrível experiência da misericórdia sem mérito. A liberdade cristã, porém, não significa que estamos livres de todas as restrições e limitações.
Em primeiro lugar, liberdade cristã não significa ceder aos desejos da nossa natureza caída e egoísta. “Irmãos, vocês foram chamados para a liberdade”, escreveu Paulo, “mas não usem a liberdade para dar ocasião à vontade da carne” (Gl 5.13). Assim, a nossa liberdade em Cristo não deve ser usada como pretexto para a satisfação dos nossos próprios desejos, pois se vivemos no Espírito, não podemos satisfazer aos desejos de nossa natureza pecaminosa (v. 16).
Em segundo lugar, liberdade cristã não significa explorar nosso próximo. Antes “sirvam uns aos outros mediante o amor” (v. 13). Temos um maravilhoso paradoxo aqui. Não temos liberdade para ignorar, negligenciar ou abusar de nossos semelhantes, ao contrário, somos exortados a amá-los e, através do amor, servi-los. De certa forma, a liberdade cristã é um tipo de escravidão, mas não devemos ser escravos da nossa natureza egoísta, e sim do nosso próximo. Somos livres em relação a Deus, mas escravos em relação ao outro.
Por fim, liberdade cristã não significa liberdade para desrespeitar a lei, pois “toda a Lei se resume num só mandamento: ‘Ame o seu próximo como a si mesmo’” (v. 14). O apóstolo não diz que se amamos o nosso próximo não precisamos cumprir a Lei, e sim que estamos cumprindo.
A verdadeira liberdade não significa que somos livres para satisfazer os nossos desejos, mas para controlá-los; não somos livres para explorar nossos semelhantes, mas para servi-los e não somos livres para desobedecer a lei, mas para cumpri-la.
Para saber mais: Gálatas 5.1-15
>> Retirado de A Bíblia Toda, o Ano Todo [John Stott]. Editora Ultimato.

Fonte: Devocional Diária - Verdadeira Liberdade. Em Revista Ultimato Online.

terça-feira, 20 de maio de 2014

O maior ato de FÉ



O maior ato de fé é olhar para mim mesma à luz da Palavra de Deus, ser convencida de todos os pecados nojentos que cometo, e mesmo assim crer que Deus me ama.

Pois o propósito dEle não é me fazer ser bem sucedida, e sim me fazer conforme à imagem de Seu Filho Jesus Cristo.

Ademais, quando estamos em Cristo, Deus opera muito mais a morte do que a vida, a fim de que nossa alegria, nossa segurança e tudo o que nos permite uma boa qualidade de vida não dependa de nós mesmos, dos nossos esforços, empenho ou sucesso, mas dependa exclusivamente dEle, em Seu infinito Amor, Graça e Misericórdia.

Por nós mesmos, nada pode acontecer e nada em nós é bom. Somente Deus é bom, e Sua Bondade e Fidelidade duram para sempre, independente de tentarmos ser merecedores de algo. Ele é fiel a Si mesmo, fiel ao Seu caráter, fiel à Sua Palavra.


"Sabemos que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam, dos que foram chamados de acordo com o Seu propósito. Pois aqueles que de antemão conheceu, também os predestinou para serem conformes à imagem de Seu Filho, a fim de que Ele seja o primogênito entre muitos irmãos." - Romanos 8:28-29

quarta-feira, 30 de abril de 2014

Quando Você Está Planejando Pecar Novamente?

QuandoVoceEstaPlanejandoPecarNovamente

Não existem muitos livros que conduzam você para a pergunta: O que eu devo fazer quando estou planejando pecar novamente? Toda a Escritura, é claro, trata dessa questão, porque todos nós sabemos que iremos pecar novamente, mas há dois padrões que são especialmente perigosos.
1. Confessa — depois ignora. Um casal cede ao sexo antes do casamento e se sente culpado. Eles confessam isso ao Senhor e prometem a Deus e, um ao outro, que nunca mais farão isso. Mas acontece de novo, e depois de novo. Na terceira vez, eles já não têm mais certeza de como proceder. Eles ainda podem sentir-se um ‘pouquinho horríveis’, mas por que se incomodar em confessar algo que você irá fazer de novo? Eles sabem que fazer promessas por culpa não funciona e, neste ponto, eles admitem que tais promessas são mentiras mesmo. Eles esperam fazer isso novamente. Melhor é apenas deixar essa fase correr seu curso, eles concluem. O casamento pode chegar logo, ou talvez o pecado morra gradualmente. Depois eles podem se comprometer novamente com Deus.
2. Confessa — tenta — se sente muito mal — perde a esperança — tenta ignorar. Essa é uma pequena variação do primeiro padrão citado anteriormente e leva um pouco mais de tempo para colocar o pecado recorrente em quarentena espiritual para que ninguém mais mexa nele. Por exemplo, alguém pode não estar planejando sua próxima queda na pornografia, mas fez pouco para interrompê-la, como compartilhar sua atividade na internet com alguém a quem ele possa prestar contas. Ele pode confessar suas próximas nove quedas (saltos?) na pornografia, mas uma vez que chega aos dois dígitos ele começa a imaginar: para quê isso serve? Então, esse setor da vida vai gradualmente se fechando para a ação de Deus, embora tais sentimentos ruins nunca tenham ido embora de fato.
De qualquer maneira, Deus é marginalizado, e o pecado vence através da nossa negação e complacência.

Peça ajuda

Tais padrões exigem ação. Eles matam nossas almas e nossas almas não irão curar a si mesmas com o tempo. Pelo contrário: precisamos de intervenção espiritual. A mais óbvia intervenção é ir a público. O pecado é como cogumelos e outras coisas que florescem no escuro. Então, traga-o à luz e confesse-o a outra pessoa. Se podemos confessar algo ao Senhor, mas não para um mero ser humano, nossa confissão é suspeita. Vá a público.
Há riscos. Talvez a pessoa para quem contemos conte a outras, ou muito pior, não faça absolutamente nada. Mas não podemos nos dissuadir de uma ação sábia, porque pode haver consequências indesejáveis.

Duas abordagens: Graça ou Lei

Quando pedimos ajuda para esses padrões, provavelmente ouviremos uma das duas abordagens: graça ou lei. Um pastor confiável me disse para pregar a graça até que uma pessoa desconsidere o pecado, então nós pregamos a lei.
Graça proclama a benignidade, o perdão e a paciência do Senhor. Ela convida e aceita. Ela pergunta: “Como você pode continuar a pecar à luz do amor de Deus agora revelado em Jesus Cristo? Você deve desconhecer que ele ama você. Como você pode perder a esperança ou se comprometer com o pecado quando o Espírito Santo foi dado a você?”
A graça de Deus nos corteja. É o amor de Cristo que nos compele à ação piedosa (2Co. 5.14). É sua graça que nos ensina a dizer “não” para a impiedade (Tt. 2.12).
lei toma muitas peças do caráter de Deus e as remonta na forma dos mandamentos: “Farás…” e “não farás…” Sem elas, não temos ideia de como imitá-lo. Sem elas, esquecemos que a vida diária é vivida diante de Deus e nossos instintos são traiçoeiros.
A lei tem urgência — “hoje” (Hb. 3.15). Ela avisa. Ela pergunta: “Não há temor do Senhor? Seguir Jesus é reservado apenas para aqueles tempos em que há um encontro coincidente entre seus desejos e os dele?” É o temor do Senhor que nos compele a viver justamente. Nós pertencemos a ele. Ele tem toda a autoridade.

Para qual lado você está pendendo?

Conforme temos oportunidades de aplicar essas duas abordagens à nossa própria obstinação e oferecê-las a outros, para onde pendemos? Para a graça ou para a lei?
Palavras e significados importam aqui. Há muitos diferentes usos da lei: a lei revela o caráter de Deus, restringe o pecado, expõe o pecado (nos mostrando a necessidade de Jesus) e nos ensina a viver. Nenhum deles se opõe à graça, mas são expressões dela. No entanto, outro uso da lei é encontrado em Romanos e Gálatas, onde a lei é resumida em um sistema sem o Espírito que olha para nossas próprias ações para justiça própria. Esse uso da lei (chamado de justiça por obras ou legalismo) é oposto à graça e ao evangelho.
Fazendo um uso da lei, graça e lei são companheiras. Com o outro, elas são inimigas. Estou usando a lei como uma companheira para a graça. Ao invés de optar pela graça ou pela lei, podemos dizer que a lei está embutida na ampla graça de Deus.
Então, o que estamos realmente perguntando é: como resultado da multiforme graça de Deus para conosco, devemos persuadir ou advertir o pecador? A questão do pecado intencional e planejado não nos força a escolher a graça ou a lei. Ao invés disso, tanto a graça quanto a lei revelam o caráter de Deus, e nós queremos acessar toda a gama do caráter de Deus enquanto persuadimos e advertimos. Com todo o amor persuasivo que podemos possivelmente oferecer, com súplicas, consideramos tanto a benignidade quanto a severidade de Deus (Rm 11.22).
Todos nós pecaremos de novo, e disso podemos ter certeza. Quando pecamos, pedimos o perdão tanto de Deus quanto daqueles a quem fizemos o mal. Então, algum combate ‘mano a mano’ contra o pecado é provavelmente planejado de certa maneira em público para permanecer firme ou correr quando houver outro ataque. Tudo isso é precedido e seguido por nosso descanso no perdão do pecado assegurado por Jesus. O descanso é espiritual, a complacência é pecaminosa.
Por: Ed Welch; Original: When You Are Planning to Sin Again; ©2014 CCEF; website: www.ccef.org.
Tradução: Alan Cristie; Revisão: Vinícius Musselman Pimentel. Copyright  © 2014 Voltemos ao Evangelho. Original: Quando Você Está Planejando Pecar Novamente?

Texto fantástico publicado no Voltemos ao Evangelho

quinta-feira, 24 de abril de 2014

Como Ficar Longe de Você?


Passei dias Te procurando, dias tentando ouvir o que eu queria, querendo saber o que poderia Te dar pelos meus pecados, e quem sabe assim me ver livre deles de uma vez por todas.
Querendo ser punida de alguma forma, receber a correção de que achava que precisava, para poder sair desse poço e voltar a respirar.
Mas Você não falou o que eu quis ouvir. 
Todos já me disseram que me cobro demais, mas Você é quem mais sabe disso. 
Obrigada por saber como lidar comigo. Obrigada por me conhecer melhor que eu mesma. Obrigada por me amar apesar de tudo.
Mesmo que eu não seja grata o bastante, e nem Te ame tanto para além das minhas palavras. Ainda assim, venho humildemente pedir Seu perdão mais uma vez. 
O que quero fazer não faço, e o que não quero, isso faço.
Não sei viver sem ter Você, preciso que estejas ao meu lado, porque tenho certeza do que espero em Ti, e provo todos os dias daquilo que não vejo por Sua causa.
Sem merecer, Te procurei mais uma vez tentando, ao me achegar a Você, que Você se achegasse a mim, me perdoando e me purificando, me dando uma nova oportunidade. E embora já nos conheçamos há algum tempo, me surpreendi como da primeira vez ao contemplar Seu Amor infinito e incondicional, me recebendo como se nem soubesse como tenho Te negado.

Compartilho minha oração para que a esperança alcance mais alguém que a tinha perdido.


"Porque tudo o que dantes foi escrito, para nosso ensino foi escrito, para que pela paciência e consolação das Escrituras tenhamos esperança." Romanos 15:4

"Ele mostrou a você, ó homem, o que é bom e o que o Senhor exige: Pratique a justiça, ame a fidelidade e ande humildemente com o seu Deus." - Miquéias 6:8

"Embora eu tenha caído, eu me levantarei. Embora eu esteja morando nas trevas, o Senhor será a minha luz. Por eu ter pecado contra o Senhor, suportarei a sua ira, até que ele apresente a minha defesa e estabeleça o meu direito. Ele me fará sair para a luz; contemplarei a sua justiça." - Miquéias 7:8b-9

"Quem é comparável a ti, ó Deus, que perdoas o pecado e esqueces a transgressão do remanescente da sua herança? Tu que não permaneces irado para sempre, mas tens prazer em mostrar amor. De novo terás compaixão de nós; pisarás as nossas maldades e atirarás todos os nossos pecados nas profundezas do mar." - Miquéias 7:18-19

quarta-feira, 16 de abril de 2014

Devedores de Amor




Convidado por um dos fariseus para jantar, Jesus foi à casa dele e reclinou-se à mesa. Ao saber que Jesus estava comendo na casa do fariseu, certa mulher daquela cidade, uma ‘pecadora’, trouxe um frasco de alabastro com perfume, e se colocou atrás de Jesus, a seus pés. Chorando, começou a molhar-lhe os pés com as suas lágrimas. Depois os enxugou com seus cabelos, beijou-os e os ungiu com o perfume. Ao ver isso, o fariseu que o havia convidado disse a si mesmo: "Se este homem fosse profeta, saberia quem nele está tocando e que tipo de mulher ela é: uma ‘pecadora’". Respondeu-lhe Jesus: "Simão, tenho algo a lhe dizer". "Dize, Mestre", disse ele.

"Dois homens deviam a certo credor. Um lhe devia quinhentos dinheiros e o outro, cinqüenta.
Nenhum dos dois tinha com que lhe pagar, por isso perdoou a dívida a ambos. Qual deles o amará mais?" Simão respondeu: "Suponho que aquele a quem foi perdoada a dívida maior". "Você julgou bem", disse Jesus. Em seguida, virou-se para a mulher e disse a Simão: "Vê esta mulher? Entrei em sua casa, mas você não me deu água para lavar os pés; ela, porém, molhou os meus pés com as suas lágrimas e os enxugou com os seus cabelos. Você não me saudou com um beijo, mas esta mulher, desde que entrei aqui, não parou de beijar os meus pés. Você não ungiu a minha cabeça com óleo, mas ela derramou perfume nos meus pés.
Portanto, eu lhe digo, os muitos pecados dela lhe foram perdoados, pelo que ela amou muito. Mas aquele a quem pouco foi perdoado, pouco ama". Então Jesus disse a ela: "Seus pecados estão perdoados". (...) Jesus disse à mulher: "Sua fé a salvou; vá em paz". – Lucas 7:36-50
 



Para discussão:

1-        Na passagem retratada por Lucas Jesus foi jantar na casa de Simão, mas foi surpreendido por uma mulher. Qual foi a reação de Simão? Por que reagiu dessa forma?
2-        O que pode ter motivado a mulher? Por que Jesus considerou tanto sua atitude?
3-        Foram as ações praticadas pela mulher que lhe garantiram o perdão aos seus pecados? O que Jesus disse, ao final, afirmando que poderia ir em paz?
4-        A parábola utilizada por Jesus ilustrava o momento que se tinha passado, e serviu para ensinar o que a Simão e aos outros convidados?

“Pois o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor.” Romanos 6:23

“Pois foi do agrado de Deus que nele habitasse toda a plenitude, e por meio dele reconciliasse consigo todas as coisas, tanto as que estão na terra quanto as que estão no céu, estabelecendo a paz pelo seu sangue derramado na cruz. Antes vocês estavam separados de Deus e, em suas mentes, eram inimigos por causa do mau procedimento de vocês. Mas agora ele os reconciliou pelo corpo físico de Cristo, mediante a morte, para apresentá-los diante dele santos, inculpáveis e livres de qualquer acusação, desde que continuem alicerçados e firmes na fé, sem se afastarem da esperança do evangelho, que vocês ouviram e que tem sido proclamado a todos os que estão debaixo do céu.” Colossenses 1:19.23


Logo, quanto mais reconhecemos que somos pecadores, mais somos capazes de amar a Deus. E à medida que nos desfazemos do nosso orgulho, e que priorizamos Sua presença ao invés do que poderiam pensar de nós, assim conseguimos demonstrar gratidão e, consequentemente, alcançarmos a salvação pela fé em Jesus Cristo. Ao assumirmos nossos erros e nos arrependermos, entendemos o tamanho da dívida que nos foi perdoada, e o quanto foi caro o preço pago em nosso favor, uma vez que não tínhamos condições de pagá-la. Nada mais coerente, portanto, que Aquele que nos remiu, nos tenha agora por devedores, não de dinheiro, mas de Amor por Ele, e pelo nosso próximo, segundo a Sua vontade.
 


Último EBI ministrado por mim na ABU de 2ª-feira no bloco 5R-B do campus Sta. Mônica da UFU em 24/02/2014.

quinta-feira, 27 de março de 2014

Esperança!




"Tendo sido, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo, por meio de quem obtivemos acesso pela fé a esta graça na qual agora estamos firmes; e nos gloriamos na esperança da glória de Deus. Não só isso, mas também nos gloriamos nas tribulações, porque sabemos que a tribulação produz perseverança; a perseverança, um caráter aprovado; e o caráter aprovado, esperança. E a esperança não nos decepciona, porque Deus derramou seu amor em nossos corações, por meio do Espírito Santo que ele nos concedeu." - Romanos 5:1-5

"Agora, pois, Senhor, que espero eu? A minha esperança está em Ti." - Salmos 39:7

"Ó minha alma, espera somente em Deus, porque dEle vem a minha esperança." - Salmos 62:5

"Pois tu és a minha esperança, Senhor DEUS; tu és a minha confiança desde a minha mocidade." - Salmos 71:5

"Que o Deus da esperança os encha de toda alegria e paz, por sua confiança nEle, para que vocês transbordem de esperança, pelo poder do Espírito Santo." - Romanos 15:13

Sentindo florescer a Esperança, 
@NatháliaAyumi
Ocorreu um erro neste gadget